top of page

Ácido Alfa-lipoico estimula a telomerase em músculo liso vascular


Em células humanas, a redução dos telômeros, que são as estruturas protetoras nas extremidades dos cromossomos, não apenas é um indicativo de envelhecimento, mas também contribui para esse processo. Cientistas da Escola de Medicina da Universidade Emory fizeram uma descoberta relacionada ao suplemento dietético ácido alfa lipoico (ALA). Eles constataram que o ALA pode estimular a atividade da telomerase, uma enzima responsável pelo alongamento dos telômeros. Esse estímulo demonstrou efeitos positivos em um modelo de camundongo com aterosclerose.


Essa descoberta abre caminho para potenciais abordagens no tratamento de doenças crônicas. Os resultados desse estudo foram publicados na revista Cell Reports.


Wayne Alexander, MD, PhD, professor de medicina na Escola de Medicina da Universidade Emory e autor sênior do estudo, explicou que o ácido alfa-lipoico desempenha um papel vital nas mitocôndrias, as unidades geradoras de energia celular. Ele é amplamente reconhecido como um "antioxidante natural". No entanto, os resultados dos estudos clínicos em seres humanos sobre os efeitos do ALA têm sido diversos.


O ALA parece exercer seus efeitos positivos contra a aterosclerose ao estimular as células do músculo liso que revestem os vasos sanguíneos para produzir PGC1-alfa (coativador alfa do receptor gama ativado por proliferador de peroxissoma). PGC1-alfa já era conhecido pelos cientistas por controlar diversos aspectos da resposta dos músculos esqueléticos ao exercício. Embora este estudo não tenha avaliado diretamente os efeitos do exercício, as descobertas fornecem pistas moleculares sobre como o exercício pode retardar os efeitos do envelhecimento ou de doenças crônicas em certos tipos de células.


Wayne Alexander observou que as doenças crônicas, como a aterosclerose e o diabetes, estão relacionadas ao encurtamento dos telômeros nos vasos sanguíneos. Portanto, tratamentos que possam restaurar telômeros saudáveis têm um grande potencial.


Shiqin Xiong, PhD, professor na divisão de cardiologia e primeiro autor do estudo, acrescentou que a novidade deste estudo é a demonstração de que o PGC1-alfa regula a atividade da telomerase e que isso tem efeitos benéficos no estresse celular em um modelo de camundongo com aterosclerose.


Xiong e Alexander conduziram experimentos em camundongos sem o gene ApoE, que está envolvido no processamento do colesterol, e alimentaram esses camundongos com uma dieta rica em gordura. Os resultados mostraram que os camundongos sem PGC1-alfa apresentaram mais placas avançadas nos vasos sanguíneos, principalmente em camundongos mais velhos. Consequentemente, as células aórticas desses camundongos mostraram telômeros mais curtos e menor atividade da telomerase. Isso levou as células do músculo liso a sofrer mais estresse oxidativo e danos no DNA.


É importante notar que a telomerase não está ativa na maioria das células saudáveis e só se ativa quando as células estão se multiplicando. Portanto, havia preocupações de que estimular a telomerase em todas as células poderia promover o crescimento do câncer ou causar outros efeitos adversos.


Para estimular o PGC1-alfa nas células, Xiong e Alexander consideraram o uso do ácido alfa-lipoico (ALA). O ALA é um ácido graxo contendo enxofre que é utilizado na Alemanha para tratar a neuropatia diabética e já era conhecido por combater a aterosclerose em modelos animais.


Os pesquisadores descobriram que ao tratar as células musculares lisas isoladas com ALA por um dia, conseguiram estimular tanto o PGC1-alfa quanto a telomerase. Além disso, quando injetaram ALA nos camundongos, puderam observar os efeitos benéficos nas células musculares lisas dos vasos sanguíneos. Xiong e Alexander estão atualmente investigando os efeitos do ALA em outros tecidos e ressaltam que ainda é necessário realizar mais pesquisas para avaliar completamente o risco de câncer associado ao uso de ALA.


Fonte:http://www.sciencedaily.com/releases/2015/08/150821111051.htm

“As informações fornecidas neste site destinam-se ao conhecimento geral e não devem ser um substituto para o profissional médico ou tratamento de condições médicas específicas. Procure sempre o aconselhamento do seu médico ou outro prestador de cuidados de saúde qualificado com qualquer dúvida que possa ter a respeito de sua condição médica. As informações contidas aqui não se destinam a diagnosticar, tratar, curar ou prevenir qualquer doença. Nunca desconsidere o conselho médico ou demore na procura por causa de algo que tenha lido em nosso site e mídias sociais."

68 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Commentaires


bottom of page